Parlamento Europeu aprova relatório contra a Hungria

Parlamento Europeu aprova relatório contra a Hungria

Votação abriu caminho a procedimento contrário ao governo de Viktor Orbán.

"Risco manifesto de violação grave dos valores europeus": o relatório que sustenta esta acusação contra o governo húngaro, liderado por Viktor Orbán, foi aprovado no Parlamento Europeu, deixando caminho livre para um procedimento contrário à Hungria, algo que pode mesmo levar à suspensão do direito de voto do país.

Este sinal claro da parte da União Europeia sobre o distanciamento quanto às práticas xenófobas e anti-democráticas do Executivo húngaro foi acompanhado por uma ovação dos deputados europeus no final da votação que resultou em 448 votos favoráveis, 197 contra e 48 abstenções. Judith Sargentini, relatora do documento, não foi capaz de esconder a emoção. O documento teve aprovação inclusive do Partido Popular Europeu, grupo ao qual pertence o Fidesz, partido que ocupa o poder na Hungria.

Na extensa lista de acusações que o relatório denuncia incluem-se a troca de magistrados independentes por outros com ligação ao governo, ataques à independência das universidades, controlo dos meios de comunicação, oligarquia, corrupção, apropriação indevida de fundos comunitários, ataque à liberdade de culto religioso, proibição de organizações não governamentais, ataques aos direitos das mulheres e à liberdade de expressão, repressão contra imigrantes, refugiados e ciganos.

Ontem, Orbán acusara a União Europeia de condenar a Hungria por esta "não querer ser um país de imigrantes".


Notícias relacionadas